TESTEMUNHO – PARTE II
Desde quando me tornei evangélico eu e minha esposa tínhamos o desejo de ter uma filha, pois a primeira gravidez veio um lindo menino, toda vez que alguém orava por nós, profetizava uma menina em nossas vidas. No mês de agosto de 2002 paramos de evitar filhos na intenção de arrumar mais uma criança: “Esta menina que sempre era falada nas profecias e revelações”. Durante um mês nós paramos de evitar, e passado uns dois meses a gravidez tão esperada não aconteceu. Foi quando, no dia dois de dezembro de 2002 pela manhã, minha esposa começou a sentir fortes dores no estômago, a princípio pensávamos ser   ……

algum desarranjo intestinal, mas a dor não passava e ela começou a sofrer desmaios e a vomitar.
Como não apresentava sinais de melhora e já era tarde, levei-a para o hospital local, pois morávamos em Santo Antônio do Descoberto – Goiás, quando este episódio aconteceu.
Chegando ao hospital, ela ficou internada e no outro dia como continuava do mesmo jeito, foi removida para o Hospital Regional de Taguatinga no Distrito Federal onde foi diagnosticada gravidez tubária e rompimento das trompas com forte hemorragia interna e era preciso operar.
Quando o médico deu o diagnóstico eu não acreditei, pois ela estava normal e não apresentava sinais de gravidez.
Era 13:20hs do dia 03 de dezembro de 2002 uma terça-feira, que minha esposa deu entrada no centro cirúrgico, vinte minutos depois a médica falou: “Olha se você crê em Deus pode fazer suas orações, pois a sua esposa está em estado de coma e os médicos não podem fazer mais nada, vamos operá-la, mas não temos esperanças de vida”.
Saí desesperado a procura de uma igreja, quando parei perto de uma loja e ali permaneci com a cabeça baixa e chorando, foi quando uma mulher tocou em meu ombro e me perguntou:
Porque você está chorando?
Olhei para aquela mulher e pensei “deve ser alguma irmã evangélica ou mesmo uma missionária, pois eles fazem visitas aos doentes que ficam internados”.
Ela trajava um vestido longo todo branco e tinha os cabelos soltos por sobre os ombros então eu respondi: a minha esposa está morrendo e eu não posso fazer nada.
Então ela me disse: “Não se preocupe, pois ela não vai morrer, ela vai ficar boa”. Com aquelas palavras eu senti uma paz tomar conta do meu interior e abaixei a cabeça quando olhei novamente não a vi mais, então observei que um senhor me observava a uma certa distância, fui até ele e perguntei se ele viu para onde foi aquela mulher que momentos antes conversava comigo, ele me disse o seguinte: “Você não estava conversando com ninguém, pois eu vi quando você parou ali, de cabeça baixa, chorando fiquei até preocupado, pois pensei que você pudesse estar se sentindo mal”.
Despedi-me dele e fui para a casa da madrinha do meu filho.
Às 17:00hs retornei ao hospital e falei com a médica que havia operado a minha esposa, tudo havia transcorrido muito bem ela estava fora de perigo.
As palavras da médica foram as seguintes: “Realmente foi um milagre que aconteceu, não há explicação, pois ela estava quase morta e agora está se recuperando muito bem”.
Saí dali exultando de alegria e pensei comigo: “foi um anjo que falou comigo”. Três dias depois eu trazia minha esposa para casa, mais ela não podia ter mais filhos e a única possibilidade seria após um longo tratamento.
Muitos protestantes falavam que eu estava pagando o preço, que era pecado oculto e alguns chegavam a dizer que Deus havia revelado que eu estava cometendo pecado de adultério que eu estava vivendo em prostituição.
Continuei meus trabalhos e quando foi no ano de 2003 começaram a profetizar que meu tempo na cidade de Santo Antônio do Descoberto tinha terminado e que Deus me levaria para a cidade de Alexania – Goiás. Quando foi no dia 17 de fevereiro de 2004, nós mudamos para esta cidade.
Chegando lá procuramos pela pastora da Igreja Pentecostal Missionária de Cristo que nos recebeu muito bem, ficamos na igreja dela por dois meses. Já no mês de março a minha esposa começou a ter queda de pressão o que me preocupou um pouco, foi quando uma noite depois de fazer minhas orações fui dormir e então eu tive um sonho em que aquela mesma mulher que me aparecera em Taguatinga estava ali e me disse: “Sua esposa esta grávida e vai dar a luz a uma menina que você tanto pediu”.
Acordei assustado e pensei comigo: não tem como ela ficar e estar grávida, pois estamos evitando. Não falei nada para ela.
Quinze dias depois como a minha esposa continuava com a pressão muito baixa, a levei ao posto de saúde onde o médico pediu um teste de gravidez que teve como resultado: “POSITIVO” no mesmo instante me lembrei do sonho e comecei ficar muito confuso, pois a pastora que eu estava auxiliando falava que não era gravidez, que era trabalho de macumba e quando viu o resultado dos exames, disse que essa criança seria uma maldição em nossas vidas, procurei por um outro pastor e contei tudo inclusive o sonho então ele me disse: “Olha pastor você está deixando se levar pelo diabo, cuidado”. Fiquei muito abalado e confuso, mas continuei na igreja. Apenas saí da igreja Pentecostal Missionária de Cristo e fui para outro Ministério que por coincidência era o mesmo onde eu fui consagrado pastor.
Comecei trabalhar evangelizando e buscando as pessoas e foi quando eu tive outro sonho.

Anúncios

TESTEMUNHO – PARTE I

Chamo-me Albertove Manoel da Costa, servo de Nosso Senhor Jesus Cristo e o que escrevo aqui é para o engrandecimento do Cristo Jesus e para o fortalecimento do Santo Evangelho.
Nasci em berço Católico e logo após o meu nascimento fui batizado, alguns anos após o meu nascimento meus pais se tornaram evangélicos da Congregação Cristã no Brasil, mas eu como fui…..

criado com meus avós paternos recebi toda uma educação católica.
A partir dos 12 anos eu comecei a freqüentar os cultos de algumas igrejas evangélicas, mas sem firmar ou assumir um compromisso sério, pois como meus avós eram Católicos e eu permanecia fiel ao que eles me ensinavam. Participei de algumas pastorais na Igreja de São Pedro Apóstolo no Setor P Sul Ceilândia Distrito Federal, onde numa pastoral conheci a minha esposa, ela tinha 19 anos.
No mês de Dezembro de 1992 após um breve namoro passamos a viver juntos, pois a família dela não permitia que ela se casasse comigo. A partir desta data entreguei meus trabalhos na igreja e me afastei um pouco, participava das missas mas não podia tomar a Santa Comunhão o que me levou a um esfriamento espiritual.
No dia 17 de setembro de 1994 nos casamos no civil em Goiânia – Goiás. No mês de fevereiro de 1995 nos casamos no religioso na igreja Matriz de Campinas bairro de Goiânia.
Com o passar do tempo tentamos voltar aos nossos trabalhos na igreja, mas dentro de mim só tinha dúvidas, pois devido meus pais serem evangélicos, muitas vezes acabava visitando igrejas evangélicas e participava dos cultos.
Durante um tempo, eu e minha esposa participamos das missas aos domingos e dos terços, pois éramos devotos de Nossa Senhora.
Até que no dia três de janeiro de 1998 eu fui até um templo das ASSEMBLÉIA DE DEUS a convite de um vizinho nosso que era pastor local e dirigia os trabalhos naquele templo. Ao chegar lá não tive dúvidas, levantei minhas mãos e aceitei Jesus me tornando evangélico, pois ele havia me convencido que todo Católico não é digno de alcançar a salvação.
A princípio minha esposa não quis ir, mas dois meses depois ela também aceitou e se tornou evangélica. Fui batizado no mês de abril do mesmo ano, pois este pastor falava que eu era escolhido por Deus para realizar a sua obra, que Deus havia revelado que eu seria pastor. Pouco tempo depois comecei a pregar e pensava ter achado a solução para todos os meus problemas, pois algum tempo depois de ter me casado, eu e minha esposa nos encontramos em sérias dificuldades financeiras, pois estava desempregado e nosso filho já estava com um ano de vida.
Eu falava comigo mesmo: “Agora tudo mudou, pois encontrei a salvação, não preciso de imagens, de adorar a outros deuses, não preciso mais pedir a Maria, pois ela está morta e esperando pelo julgamento no juízo final. Agora Deus vai me dar tudo”. E com este pensamento eu comecei a falar contra a Igreja Católica, contra Maria Santíssima, e contra o Papa.
Já no ano de 2000 fui consagrado a pastor evangelista. Esta consagração ocorreu no mês de outubro no dia 18 na Igreja Assembléia de Deus Jardim das Oliveiras na cidade satélite de Samambaia-DF.
Logo comecei a dirigir congregações e pensava que tudo estava solucionado, quando no mês de dezembro de 2002 aconteceu um episódio que ia mudar completamente o rumo da minha vida.

http://frankmatos.blogspot.com

A tumba de João Paulo II, cinco anos depois
CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 2 de abril de 2010 (ZENIT.org). – Desde 2005, quando morreu João Paulo II, as Criptas Vaticanas, onde se encontra sua tumba, são um dos locais mais visitados por turistas e peregrinos em Roma. Fontes ligadas à Basílica de São Pedro disseram à ZENIT que uma média de 12 mil pessoas visitam diariamente o lugar, onde se encontram as sepulturas da maioria dos Pontífices, entre eles São Pedro, segundo a tradição.
“Este é um local sagrado, por isso pedimos silêncio e discrição” diz o anúncio que se escuta em vários idiomas quando se visita as Criptas Vaticanas. Clique aqui e veja o tumba ao vivo!

O ingresso se dá pelo lado direito superior da Basílica de São Pedro, de onde os peregrinos descem às Criptas e podem admirar algumas ruínas das colunas da primeira basílica, construída por ordem do imperador Constantino entre 326 e 333.
Os visitantes encontram primeiramente a tumba de Calisto III. Seguindo o percurso, chegam às tumbas de Bonifácio VIII, Nicolau III, Inocêncio VII, Nicolau V, Paulo II, Paulo VI, Marcelo II, João Paulo I e Inocêncio IX.
Algumas tumbas mostram a imagem do Papa correspondente. É a mesma imagem que pode ser vista na Basílica de São Paulo Fora dos Muros, onde estão representados os 266 Papas da Igreja Católica.
ZENIT esteve no local nesta manhã e verificou que a maior parte dos visitantes se aglomeram diante da tumba de João Paulo II.

MISERICÓRDIA DE FUNDO DE QUINTAL

Conto uma estória sem os nomes, mas acontecer, aconteceu! Casados por 18 anos, três bonitos e serenos filhos, ele deu de beber, jogar e procurar mulheres. Culpa dela é que não era, posto que continuava bonita, dona de si e excelente educadora. Mas havia alguma coisa a mais que ele queria e não achava nela. Foi reviver suas liberdades de solteiro com meninas da idade da filha. O casarão construído com os lucros de uma firma de sucesso não mais o atraia. Chegava tarde e saia cedo. Deu de dormir no sofá. Perdera o interesse pela esposa.  Um dia, deixou claro que gostava mesmo era de gatas.
Ele tinha o que elas queriam e elas tinham o que ele queria! Ela o preveniu contra os arranhões. Disse que a casinha de fundo estava à disposição dele, desde que não trouxesse as gatas para a casa. No quarto, não o queria mais! Nem se tocou; continuou indo aonde não devia e voltando para dormir no fundo do quintal. Os filhos, é claro escolheram a mãe.
Com o tempo ele degringolou. Nem voltar, voltava. Ia da firma para a festa. Montou apartamento e viveu com três outras meninas no curto espaço de dez anos. Um dia, o coração bateu errado. Foi achado no apartamento à beira da morte, depois de uma noitada com mais uma menina de programa. Ela confessou que rolaram bebidas e drogas.
Não viveria muito! Ai entrou em ação o perdão da esposa católica apostólica romana que não divorciara, resistira a outros homens, não o entregara ao demônio e silenciosa e sofrida o recomendara a Deus. Seu casamento tinha sido para sempre! Acolheu-o e cuidou dele. Envergonhado, ele não quis sair da casinha de fundo. Morreu aos 60 anos, nos braços dela. Foi misericórdia de fundo de quintal.
Conclusões? Cada qual tire as suas! Mas está aí um tipo de fidelidade cada dia mais raro. Ela realmente o amara. Ele, nem tanto. Quando ela disse o sim foi para sempre. Quando ele começou a dizer não, ela insistiu sofrida, mas serena no seu sim. Esperava que ele se convertesse e saísse do infantilismo para o qual regredira. Não deu certo. Ele se mostrou incapaz de superar o gosto pelo aplauso, pela bebida e por mulheres. Dinheiro ele tinha para bancar a família e as noitadas! Amigos e funcionários tomaram o lado dela. Sobraram os novos amigos dos quais nenhum prestava.
Boba? Trouxa? Senhora? Adjetivos não mudariam uma pessoa assim substantiva. No dia do enterro a cidade estava lá, muito mais por causa dela! Sumarizou o fato um respeitado jornalista:- “Ele ganhou um belo túmulo, mas para ela a cidade deveria erguer um monumento! Amores como este andam cada dia mais raros”…

 Maria é minha Mãe
Minha história de amor com Maria começou quando Deus, em seu imenso Amor, criou-me e colocou-me nos braços de Maria para que, como Mãe, cuidasse de mim. Ouso dizer que Maria decidiu-se por ser minha mãe e cuidar de mim. Demonstrou isso em vários fatos de minha vida. Logo que nasci mamãe consagrou-me a Nossa Senhora Aparecida. Fui batizada no dia da Imaculada Conceição (08/12).
Passei um …

tempo numa igreja evangélica, mas lá não era o meu lugar. Voltei ao seio da verdadeira Igreja, onde fiz a Primeira Comunhão e recebi o Crisma. Costumava ir à missa todos os domingos, mas não dava o verdadeiro valor. Hoje, percebo que era indiferente a Deus; infelizmente, como muitos, era católica apenas pelo nome. Participei de vários encontros de jovens, mas não mudava muita coisa, continuava na indiferença. Até que Deus decidiu dar um basta nessa situação.

No dia 29 de novembro de 1992, minha vida mudou radicalmente. Participei do primeiro encontro de jovens da RCC na minha paróquia, cuja padroeira é Nossa Senhora da Paz, e nesse dia houve a Efusão do Espírito Santo. Lembro que já na fila para receber a oração meu coração estava disparado. Rezaram por mim, foi muito simples, não aconteceu nada de extraordinário. Voltei ao meu lugar e, com o coração ainda disparado, fiquei rezando. Terminada a oração fomos para o intervalo do lanche.

Enquanto saía, passando em frente ao sacrário, senti uma moleza e caí. Pensei que fosse o que eles haviam explicado como repouso no Espírito Santo, pois me sentia em paz; mal sabia que naquele momento Deus fazia uma grande cura em meu coração. Meu físico não resistiu, minha pressão subiu demais e tive de ir para o hospital.
No carro, com meus pais, enquanto passávamos pela Igreja Matriz, vi uma Senhora muito bela ao meu lado, usando uma túnica cor de rosa, que me olhava com muito amor. Na hora, disse à minha mãe que tinha visto Maria e pedi que rezasse uma Ave-Maria comigo. Mesmo achando que eu estava ficando “louca”, mamãe rezou comigo e uma grande paz invadiu meu coração.
Sentia necessidade de estar perto de Deus ou de coisas que me lembrassem dele. No corredor do hospital, mesmo debilitada, precisei dizer a um acidentado que ele era amado por Jesus. E que grande alegria poder dizer algo que eu havia experimentado! Aos poucos, minha pressão foi melhorando e voltei a tempo de coroar aquilo tudo com a Santa Missa.
Até hoje não entendo direito o que aconteceu, mas sei que não preciso compreender o que Deus faz em minha vida, apenas colher os frutos, que são muitos. Fui envolvida por uma grande alegria, um profundo desejo de anunciar a todos o amor de Jesus. Engajei-me no grupo de jovens da paróquia, disposta a trabalhar para Deus.
Depois disso, minha vida não foi mais a mesma. Já não era indiferente a Deus e às suas “coisas”. Pelas mãos de Maria, houve uma grande cura em meu coração.
Após um certo tempo, ao preparar-me para pregar sobre o “Silêncio de Maria” em um encontro de jovens, relembrava essa experiência para testemunhá-la; questionei-me sobre qual Nossa Senhora seria aquela, estranhando o fato dela não estar com seu manto, como se vê nas imagens. Então, tive o entendimento de que estava sem o manto porque ele estava sobre mim. Eu estava, e continuo, sob os cuidados de Maria, sob seu manto.
Como Mãe, sua presença foi sempre constante. Recebi de suas mãos muitas graças, dentre elas a Vocação Shalom.
Outro momento muito importante foi minha consagração como fiel escrava de Maria (cf. S. Luís Maria Montfort) em 1999. Em uma formação pessoal, depois de uma experiência de oração com Maria, foi sugerido que eu me consagrasse a ela. Então, junto com alguns irmãos, em Salvador-BA, pelas mãos do Pe. Bruno, membro da Congregação Irmãos de São João, fui consagrada à Virgem Maria e ungida com o óleo da Porta do Céu. Foi um momento simples e único em minha vida. Formalizei algo que já era real em minha vida: a consagração a Maria.
Hoje, no segundo ano do noviciado na Comunidade de Vida Shalom em Fortaleza, posso dizer que teria muito a testemunhar, pois foram muitos os presentes, graças, curas e até milagres recebidos por Maria. Muitas vezes na minha fraqueza, nas minhas dores corri para o seu colo de Mãe, meu lugar. Diante de tudo vivenciado com Maria, faço um questionamento: Quem é Maria para você? A minha resposta é: minha Mãe! Qual é a sua? Que você possa dizer comigo: Maria é, antes de tudo, minha Mãe!

Cantora Protestante lança música sobre Maria
Fico feliz em postar sobre esta linda canção da irmã protestante Fernanda Brum.
A primeira vez que ouvi esta canção foi no youtube, um video postado por evangelikusvideos – Pr. Rilton Ricardo e a descrição do video está desta forma: “QUERO DEIXAR CLARO QUE MARIA FOI A MULHER MAIS DIGNA QUE DEUS ENCONTROU NA TERRA PARA GERAR JESUS EM SEU VENTRE, E ELA COM ESMERO CUMPRIU SEU PAPEL, PORÉM O FATO DE ADORAR A MESMA, NÃO É O CORRETO, AFINAL A PALAVRA DIZ QUE SÓ DEVEMOS ADORAR A DEUS, MAS  …..

EM NADA DESMERECE A GRANDE IMPORTANCIA DE MARIA NOS PLANOS DE DEUS PARA COM A HUMANIDADE…”

Amém! A Igreja católica também não concorda em adorar Maria e nem ninguem, que não seja Jesus, único Senhor! Se pessoas na religião católica adoram a virgem, estão indo contra a biblia e contra a igreja. Amamos, veneramos, pedimos a intercessão, confiamos, mas não adoramos a Imaculada Virgem Maria.
O diálogo sem pedras nas mãos e sem uma visão deturpada daquilo que a Igreja Católica realmente acredita e vive, seria muito esclarecedor para muitos irmãos que infelizmente saem reproduzindo qualquer coisa que ouvem, sem antes atestar se é verídico. Parabéns ao pastor e a cantora, por serem coerente com o evangelho e não ignorar a importancia de Maria.

Segue abaixo breve descrição do Pe. Zezinho sobre a canção.

“Algo de novo está acontecendo. Acabo de ouvir, com satisfação, a canção gravada pela evangélica FERNANDA BRUM: Maria. Faz tempo que a grande maioria dos evangélicos mantém um estranho pudor para falar sobre Maria. É estranho porque sendo “evangélicos” deveriam cantar todo o Evangelho. É o que acontece nesta bela intepretação de Fernanda Brum que canta o primeiro capítulo do evangelho de Lucas. A mãe sorri e o Filho agradece!”
Que o Espírito Santo, fundador da igreja, possa cada dia mais derramar unção, e que as escamas de nossos olhos possam cair, para anunciarmos a salvação até o último dia de nossas vidas.

Fonte: Aviva Anchieta / http://downloadcatolico.blogspot.com/

 Não temos motivo para temer o inimigo
Satanás continua a tentar enfraquecer os filhos de Deus
Eu acho que todos devem saber o que os romanos faziam quando derrotavam um império ou um general. O vencedor entrava de forma triunfante em Roma. E em meio àquela entrada triunfal, o general era aplaudido, louvado. E o general derrotado era amarrado à carruagem do vencedor. E isso era o máximo de humilhação para quem que havia sido derrotado.
Se olharmos Colossenses 2,15, Paulo usa esse mesmo fato para   …..

falar da derrota do inimigo de Deus. Já foi dito várias vezes que o demônio já foi derrotado. Não precisamos temer nada. É verdade que o maligno é como um leão que ruge à nossa volta, tentando achar uma brecha e nos devorar. Mas por que ele continua a entrar nesse campo de batalha uma vez que já foi derrotado? A intenção dele é diminuir a força do reinado de Jesus. Satanás continua a tentar enfraquecer aqueles filhos e filhas de Deus que fazem parte do Reino. E a experiência de muitos é esta: “Por que depois que comecei a seguir Jesus tenho mais tentações, me sinto mais oprimido que antes e tenho mais crises?”
Muitas pessoas, muitos cristãos, uma vez que tomam a decisão de seguir ao Senhor pensam que vão ter uma vida mais tranquila. Mas a verdade é o contrário, pois o demônio não tem interesse em atacar os que não são seguidores de Jesus Cristo. O interesse dele é colocar obstáculos na vida daqueles que decidiram seguir o Senhor. Tanto mais eu “subo a montanha”, tanto mais descubro que as dificuldades são grandes. Os cristãos são as pessoas mais atacadas. Até mesmo os santos o foram.
Não estranhe se, vocês que seguem a Jesus, começam a sentir mais problemas, mais ataques. Isso não é motivo de nos levar a uma crise. Não temos motivo para temer o inimigo, pois ele já foi derrotado. O demônio é que tem de ter medo de você, de mim. A razão é simples. Porque nós somos filhos e filhas de Deus, herdeiros do Reino. Ele tem muita raiva, porque aquilo que foi dado a ele uma vez, agora é dado para nós. Ele tem raiva, tem ódio por causa disso. Ele odeia a cada um de nós. Ela faz tudo para nos enganar, para que possamos voltar desencorajados, desanimados. Ele tenta nos enganar de várias maneiras.
Mas tem uma coisa, uma técnica que ele usa frequentemente para nos atacar. É o desânimo, o desencorajamento. Ele também usa essa “carta do baralho” com os santos. O desânimo não vem de Deus, sempre vem do inimigo, daquele que nos faz desistir de ir em frente.

Vamos olhar para padre Pio de Pietrelcina. Quando um analista do Vaticano disse que ele era um psicopata, este santo entrou numa crise tremenda. Ele olhou para os estigmas dele e se questionou se tudo era falso. Madre Teresa de Calcutá, no seu leito de morte, também viveu uma grande crise ao sentir o amor de Deus longe dela. O bispo teve de enviar um exorcista até ela e convencê-la de que aquele sentimento de não amor não vinha de Deus.
É muito normal que também nós vivamos esses momentos de crise. Seguir Jesus num momento de entusiasmo é fácil, mas continuar O seguindo nos momentos de sofrimento, isso sim é difícil. O inimigo de Deus virá tentá-lo quando você estiver se sentindo fraco, cheio de medos, com raiva, ansiedade, tristeza. É nosso papel lutar contra essas táticas que ele usa para nos desanimar. A tática que ele também usa é nos apresentar meias verdades, porque o demônio é um mentiroso, enganador, trapaceiro. Ele nos apresenta algo que parece muito bom, quando, na verdade, é muito ruim.
O maligno diz que por causa dos seus pecados, você não consegue fazer nenhuma tentativa para ser mais santo. Muitas vezes, nós pensamos que tentações são relacionadas ao sexo, ao sentimento de raiva, ódio. Essas são grandes tentações. Mas temos de estar atentos a uma grande tentação que é não fazer a vontade de Deus. Eu posso tentar vencer esse mal pelo poder que vem do Alto, do Espírito Santo. O inimigo faz de tudo para que eu saia do caminho da vontade do Senhor. Ele ousou tentar Jesus a desobedecer ao Pai, quando O levou ao alto do monte e mostrou-Lhe as cidades, dizendo que elas Lhe pertenciam. A tentação do inimigo a Jesus era muito atraente. O Pai dizia para Jesus ir para a cruz e o inimigo pedia para ele desobedecer ao Pai e ter aquelas cidades. Mas Cristo diz: “Afasta-te de mim, satanás. Eu adoro somente ao Pai”.
Irmãos e irmãs, será uma luta até o fim de nossa vida, mas se nós usarmos as armas não precisamos ter medo nenhum. A primeira arma é a Eucaristia. O inimigo treme diante da Eucaristia, porque ela é sinal de humildade, enquanto o maligno luta para ter poder. Uma outra arma forte contra o inimigo é o sacramento da confissão. Este sacramento é mais poderoso do que a própria oração do exorcismo.
O maligno tem medo da Santíssima Virgem Maria. Numa de minhas orações de exorcismo, quando eu falei o nome de Maria, uma mulher possuída disse, numa língua em latim, a qual ela não conhecia, por meio do inimigo: “Não mencione este nome!”. Ele disse que tem muito medo da humildade de Nossa Senhora. Temos de guardá-la como nossa Mãe.
Momentos de desânimo podem acontecer em nossas vidas. Quando isso acontecer se agarre a Maria. Não tenha medo do inimigo. Não desanimem com as ondas revoltas do mar, porque a vitória é nossa! Uma vez que Jesus derrotou o inimigo, com Jesus, nós também o derrotaremos.

Elias Vela